O Pacto, de Guy Ritchie: um resgate de vida ou morte que dá uma reviravolta nos trabalhos1
YouCine logo
YouCine
Edit Template

O Pacto, de Guy Ritchie: um resgate de vida ou morte que dá uma reviravolta nos trabalhos


Warning: Undefined array key "titleWrapper" in /www/wwwroot/youcine.io/wp-content/plugins/seo-by-rank-math/includes/modules/schema/blocks/toc/class-block-toc.php on line 103

O estilo cinematográfico de Guy Ritchie

Como um diretor britânico que entrou em Hollywood, Guy Ritchie não é tão denso e filosófico quanto seu antecessor Ridley Scott (Gladiador, Alien), nem tem a “magia” de Christopher Nolan (A Origem, O Cavaleiro das Trevas), que esgotou todos os seus filmes.

Mas, ainda assim, ele consegue fazer com que seus filmes sejam muito estilizados por meio de suas narrativas distintas e multifacetadas e linhas sutis, porém densas.

O YouCine é uma atraente plataforma de streaming que oferece uma ampla gama de recursos atraentes, facilitando aos usuários assistir a todos os tipos de filmes, desde os clássicos até os mais recentes sucessos de bilheteria.

O Pacto, de Guy Ritchie

O Pacto, de Guy Ritchie Resumo da história do filme

O Pacto, de Guy Ritchie, tem outro significado especial para Guy Ritchie: a “invisibilidade” do estilo de Guy Ritchie. Em vez de seus cortes rápidos e diálogos característicos, a narrativa linear do filme e os movimentos de câmera contidos são comuns.

É claro que Guericci estava um pouco nervoso por dirigir um filme de guerra pela primeira vez e optou por restaurar a brutalidade do campo de batalha de uma forma bastante conservadora, mas o padrão geral está em jogo e o desempenho é tranquilo.

O Pacto, de Guy Ritchie, foi escrito por Ivan Atkinson e Marne Davies, que co-escreveram o roteiro com Guy Ritchie, e o trio já havia co-escrito Sherlock Holmes, Gentlemen e muitos outros grandes filmes.

Em termos de elenco, O Pacto, de Guy Ritchie, tem Jake Gyllenhaal (Brokeback Mountain, Nocturnal Animals) e Dar Salem (Pharaohs and Gods) como os dois protagonistas masculinos, marcando a primeira vez que Old Gee e Guy Ritchie trabalham juntos.

O Pacto, de Guy Ritchie

O último filme popular de Old Gee foi Spider-Man: The Hero’s Expanse. Portanto, O Pacto, de Guy Ritchie é uma nova empreitada tanto para o diretor quanto para os atores. O Pacto, de Guy Ritchie, é baseado em fatos reais ocorridos em 2021, quando as tropas americanas foram evacuadas do Afeganistão.

Após o 11 de setembro, os EUA enviaram mais de 10.000 soldados ao Afeganistão para manter a “paz” no país, mas dez anos depois, o Afeganistão ainda está em guerra e o número de soldados americanos no país ultrapassou a marca de 100.000.

Luz humana

John Kinley (Jake Gyllenhaal) é um desses 100.000 soldados, e ele é tão bom com uma arma e tão determinado que é promovido a oficial logo depois de ser colocado lá. Ahmed (Dar Salem), um local inteligente e confiável, optou por se tornar intérprete do Exército dos EUA devido a alguns acontecimentos infelizes do passado.

A princípio, Kinley não confia no forasteiro, mas um resgate de vida ou morte une as duas almas.

Durante uma patrulha, a equipe de John Kinley é emboscada por uma organização afegã local, sendo superada em número e eliminada pelo inimigo, deixando John Kinley e Ahmad como os únicos sobreviventes. No entanto, o custo de sobreviver à emboscada foi enorme: John Kinley foi baleado várias vezes e mal conseguia se mover.

Na hora certa, seu intérprete, Ahmad, tornou-se seu salvador, fazendo uma maca improvisada e caminhando com Kinley ferido por 100 quilômetros em um terreno perigoso.

O Pacto, de Guy Ritchie

Mesmo quando se deparou com um calor extremo e criminosos cruéis, Ahmad não desistiu, e os dois homens acabaram chegando à base militar dos EUA, salvando a vida de Jinli. No entanto, quando Kinley voltou a si, ele já havia sido tratado como vítima e retornado aos Estados Unidos.

Alguns meses depois, Jinli, que havia sido dispensado do exército e estava em casa, ficou sabendo que Ahmad, que havia salvado sua vida, permanecia no Afeganistão devastado pela guerra e era até procurado por uma organização terrorista local.

Servir como intérprete para os americanos é um ato extremamente perigoso no Afeganistão e, de acordo com o acordo, muitos intérpretes receberiam green cards dos EUA após a missão e deixariam esse lugar de águas profundas. Mas o governo dos EUA rompeu com Ahmad, deixando ele e sua família presos em meio aos combates.

Gimli fica furioso quando fica sabendo disso e, depois de recorrer repetidamente ao governo em busca de ajuda, sem sucesso, ele hipoteca resolutamente sua propriedade e encontra um empreiteiro particular que está determinado a arriscar sua vida para tirar a família de Ahmed da zona de guerra. ……

Em O Pacto, de Guy Ritchie, Guy Ritchie abandona seu estilo pessoal vistoso anterior e faz desse um filme de guerra melodramático americano padrão por meio de tiroteios realistas e cenas de combate físico.

O Pacto, de Guy Ritchie

Por trás dessa estrutura ampla e brega, o diretor se baseia na amizade entre o tradutor Ahmed e o sargento americano John Kinley para falar sobre a glória da humanidade em circunstâncias extremas.

Ahmed, interpretado por Dar Salem, tem um papel de peso e chega a ofuscar o personagem principal, ilustrando a qualidade de bondade e lealdade do personagem.

Por exemplo, no meio do filme, a cena de Ahmed arrastando o moribundo John Kinley pela montanha lembra muito outro clássico de guerra, Saving Private Ryan.

Quando confrontados com decisões de vida ou morte, seja o esquadrão de oito homens na Normandia ou Ahmed, o intérprete, todos eles colocam o humanitarismo no topo de sua lista de prioridades. Esse espírito de salvar uma pessoa é salvar o mundo talvez seja o tema que os diretores realmente querem expressar.

A traição dos poderes constituídos

Além disso, em comparação com alguns filmes de guerra americanos excessivamente melodramáticos, o diretor Guy Ritchie satiriza a perfídia dos poderes constituídos por meio da trama do retorno de John Gimli ao Afeganistão na última parte do filme, apesar do desânimo.

O governo dos EUA usa esses intérpretes locais para atingir seus objetivos, mas, quando os benefícios se concretizam, eles quebram suas promessas e permitem que os terroristas se vinguem desses aliados.

Na realidade, os EUA recrutaram mais de 300 consultores-intérpretes locais na guerra contra o terrorismo no Afeganistão, e não há como saber que tipo de vida eles e suas famílias estão levando agora.

O Pacto, de Guy Ritchie

Como o primeiro filme de Guy Ritchie a testar as águas do cinema de guerra, O Pacto, de Guy Ritchie, recebeu um boca-a-boca significativamente melhor do que seus filmes de ação e crime dos últimos anos (por exemplo, The Wrath of Man, Operation Goldblast), mas suas próprias deficiências são igualmente óbvias.

O filme ainda não escapou do domínio do melodrama de guerra americano, especialmente depois de perder sua narrativa multifacetada e seu humor negro, o que faz com que a história, que já era fraca, pareça um pouco entediante.

Valor reflexivo de O Pacto, filme de Guy Ritchie

Nem mesmo o uso, pelo diretor, de muitas tomadas em câmera lenta e uma trilha sonora cheia de emoções pode redimir a natureza clichê e mediana do filme.

Como resultado, a classificação no Douban de O Pacto, de Guy Ritchie, caiu rapidamente de 8,5 para 7,2 desde o lançamento em streaming, com os fãs racionais dando gradualmente uma pontuação que corresponde aproximadamente à qualidade do filme.

O Pacto, de Guy Ritchie

Mas, independentemente das altas expectativas em relação a Guy Ritchie, O Pacto, de Guy Ritchie, continua sendo um dos filmes de guerra mais assistíveis dos últimos tempos. Afinal de contas, nos dias de hoje, o espírito “moral” de Ahmed e John Gimli de manter sua palavra apesar de sua própria segurança é algo a ser saboreado.

Deixe um comentário