May December: Tirando a carapaça de comédia, o noir é a essência da vida1
YouCine logo
YouCine
Edit Template

May December: Tirando a carapaça de comédia, o noir é a essência da vida


Warning: Undefined array key "titleWrapper" in /www/wwwroot/youcine.io/wp-content/plugins/seo-by-rank-math/includes/modules/schema/blocks/toc/class-block-toc.php on line 103

Em seu novo filme, May December, Todd Haynes traça a história do luto de um casal e os problemas emocionais que eles enfrentam hoje.

O diretor americano está trabalhando com Julianne Moore pela quarta vez, com Natalie Portman, que apareceu como diretora em Cannes em 2015, no outro papel principal. Esse novo filme consiste em mistérios, escândalos e mal-entendidos, mentiras e traumas do passado.

Uma plataforma de interação social e compartilhamento de informações para amantes de filmes, o YouCine permite que eles explorem o mundo do cinema com mais profundidade, interajam com outros fãs e recebam recomendações personalizadas de filmes.

May December

Mistérios não resolvidos do passado, escândalos e alianças secretas, mentiras e mágoas, divisões de classe e denúncias, tudo isso compõe May December, o filme de

Introdução do diretor de May December

Dirigido por Todd Haynes

Aos 62 anos de idade, a personalidade de Todd Haynes contrasta fortemente com os poderosos Estados Unidos da América. Gay, meio judeu, cineasta ferozmente independente, amigo de Kelly Reichardt e produtor. São muitas as características que o mantêm longe do sertão de Trump. Isso sem falar em seus filmes, repletos de retratos femininos (Far From Heaven, de 2002; Carol, de 2015), que emitem uma vibração sombria e melancólica.

May December

Daí o título bem ao estilo Allen de seu novo filme, May December, com trilha de Marcelo Zarvos. Uma música belíssima com acordes pungentes e assombrosos, já apresentada em um filme igualmente notável (O Mensageiro, Palma de Ouro em Cannes em 1971), composto por Michel Legrand.

O enredo de May December

Em Savannah, Geórgia, um casal vive em uma bela casa com vista para o rio. A esposa é Gracie (Julianne Moore), uma frágil mulher de classe média com dois adoráveis Setters irlandeses. O marido, por outro lado, é Joe (Charles Melton), um coreano-americano tranquilo e colecionador de borboletas que se conheceu quando os meninos estavam na sétima série (13-14 anos), levando Gracie de volta a uma juventude com metade de sua idade.

A outra protagonista feminina é Elizabeth, interpretada por Natalie Portman. Ela chega à cidade em preparação para um filme sobre a vida de Gracie e começa a pesquisar sua vida com sua permissão. À medida que seu trabalho avança, ficamos sabendo que a motivação para o filme é, em grande parte, o passado pesado da mulher de meia-idade.

Gracie, casada e com filhos na época, encontra Joe, um adolescente da mesma idade de seu filho mais velho, que estava na sétima série na época. Eles se apaixonaram perdidamente e Gracie foi condenada à prisão. Eles logo se divorciaram e começaram uma nova família. Os tabloides de fofoca da época foram à loucura com o caso, colocando tanto a cidade quanto o jovem casal no centro das atenções.

Vinte anos depois, quando seus dois filhos estavam se preparando para se formar no ensino médio e deixar a família para continuar seus estudos, Gracie e Joe estavam ficando um pouco desiludidos. Enquanto isso, a chegada de Elizabeth certamente lhes dá uma chance de olhar para trás, e eles tentam se abrir com ela sobre um pouco do seu passado empoeirado.

E, tanto no passado quanto no presente, Joe aparece como uma criança mais velha que não teve tempo de amadurecer, enquanto Gracie é a esposa que passa os dias cozinhando obsessivamente e muitas vezes parece um pouco nervosa e emocionalmente instável.

May December

A aparição de Elizabeth quebra a fachada da vida familiar perfeita do casal, expondo as inseguranças que estão por trás do relacionamento. Para apresentar um desempenho o mais próximo possível da verdade, ela quer se aprofundar ao máximo na história do casal, visitando o ex-marido e os filhos, fazendo uma experiência no pet shop onde eles tiveram seu caso escandaloso e até mesmo se aproximando de Joe de propósito.

Inesperadamente, uma crise familiar se instala, e cada personagem é forçado a enfrentar e lidar com o legado de seu passado e, como resultado, lentamente sente suas vidas se desintegrarem.

Reflexões sobre o filme May December

A meta-narrativa desse filme sobre o filme May December nos leva a conhecer os personagens de uma forma mais interessante. Ao ouvir inicialmente essa história de amor entre jovens e idosos, o espectador, assim como todos os residentes locais, presumirá que Gracie é tão atenciosa, calorosa e confiante quanto se apresenta, e que está no comando desse relacionamento não tão moral.

Mais tarde, em uma cena em que Gracie tem uma explosão emocional devido a um assunto trivial, fica claro novamente que Joe é o núcleo estável, gentil e reconfortante e que, ao contrário da diferença de idade, o namorado mais jovem assume uma maior fonte de segurança.

É somente no final, quando Joe está à beira de um colapso incomum antes de as crianças partirem para aprender a fumar com seu próprio filho recém-adulto e ser protegido, que finalmente percebemos que não há adultos nesse relacionamento amoroso ou íntimo. Como um pequeno barco que pode virar a qualquer momento, balançando de um lado para o outro com as ondas, eles parecem atingir um equilíbrio na superfície que, na verdade, é precário.

May December

Duas almas inseguras dependem uma da outra para se aquecerem e manterem viva a centelha da primeira visão no passado e, durante vinte anos, ficam se revirando, tentando provar que se amam e que são os únicos, resultando em nada além de futilidade. É uma lembrança dolorosa.

Em 2015, “Carol”, selecionado para a competição principal em Cannes, rendeu à atriz Rooney Mara uma coroa póstuma, e este ano Haynes novamente oferece uma abordagem satisfatória de figuras femininas interessantes, concentrando-se em suas escolhas de vida e tecendo a história junto com o personagem simbolicamente masculino de Joe.

May December explora uma das grandes capacidades humanas: nossa recusa constante e categórica de nos olharmos nos olhos.” As revelações perspicazes desse filme sobre a natureza humana, as atuações de destaque das duas atrizes ganhadoras do Oscar e as imagens de luz e sombra que são a marca registrada do trabalho de Haynes fazem dele um provável vencedor de prêmios. Um drama com a encenação adequada que ajuda as pessoas a olharem para trás dolorosamente e examinarem suas vidas sem brilho com um poder real.

Deixe um comentário