Joker: Sorrisos manchados de sangue, felicidade ilusória1
YouCine logo
YouCine
Edit Template

Joker: Sorrisos manchados de sangue, felicidade ilusória


Warning: Undefined array key "titleWrapper" in /www/wwwroot/youcine.io/wp-content/plugins/seo-by-rank-math/includes/modules/schema/blocks/toc/class-block-toc.php on line 103

Joker: uma jornada psicológica

Navegando na Wikipédia, classifico Joker como um “thriller psicológico”, então revisitei o filme novamente e, dessa vez, a sensação de assistir ao filme é muito especial, como se fosse uma aula de psicologia, as mudanças de humor não são tão grandes quanto o esperado no início, parece que tudo está na faixa do previsível, será que é do fundo do poço da escalada ascendente? Surpreendentemente, não acho que o caminho de Arthur seja tão difícil de entender, a diferença entre as pessoas normais e ele é apenas que há uma arma a menos para ser plantada e alguns punks a menos com a intenção de ferrar você.

Como assistir ao Coringa? Baixe o YouCine! O YouCine tem uma gama rica e diversificada de conteúdo de todo o mundo, incluindo filmes recém-lançados, programas de TV clássicos, eventos esportivos ao vivo, documentários e muito mais.

Joker

Nesse caso, a maioria das pessoas tem sorte de ter jogado fora um guarda-chuva quando se depara com um assediador, mas e se elas tivessem uma faca na bolsa? Pensar sobre isso não pode deixar de ser assustador. Acontece que todos nós somos pessoas que poderiam se transformar em Arthur, todos poderiam seguir o caminho que.

 Arthur seguiu, não somos necessariamente doentes mentais, mas todos nós fomos tratados injustamente e mais ou menos intimidados em um momento ou outro, e Arthur não estava gravemente doente, ele lutou para permanecer vivo. Então, olhando para o Coringa sob essa perspectiva, o filme não é realmente “assustador”, estamos apenas olhando para um espelho que reflete o lado mais sombrio de nós mesmos, ou aquele que detém o terreno moral.

Ele não evoca muito a DC ou a Marvel ou uma corrida entre as duas, exceto para apreciar a atuação de Vaquan Phoenix e também para ver a participação especial de Robert De Niro. Na verdade, só fui ao cinema para ver como um homem chamado “Coringa” se transformou de um palhaço e sua mãe em um demônio urbano assassino. A história dele é simples e pura, a única coisa é que todos conseguem ver a própria sombra, bem-vestidos, mas desprezam os trabalhadores maltrapilhos do escritório?

Joker

Garotos entediados que se divertem mexendo com pessoas (ou animais)? O homem que vê o mal, mas não ousa falar (por que a senhora no trem foi embora sem ousar chamar a polícia?) O fato de que tantas pessoas no camarim de Arthur viram a verdade, mas ninguém se manifestou para ajudá-lo? A única pessoa que o alertou, o Sr. Midget, é também o único sobrevivente do filme? É realmente verdade que somente os mais vulneráveis defenderão os vulneráveis? O que o diretor está tentando dizer é, na verdade, bastante claro, é apenas uma questão de saber se o público pode ou quer refletir sobre isso.

Seguindo o caminho de Arthur: empatia do público

Embora todo o roteiro de Coringa gire em torno da transformação de Arthur em Coringa, muitos espectadores responderam que isso era muito focado e enfraquecia o peso dos personagens coadjuvantes. Mas foi o poder da multidão, e não um único evento, que fez do Coringa o que ele se tornou. Pode-se argumentar que se trata de bullying coletivo, exceto pelo fato de que todos os envolvidos pensam que é apenas um incidente menor e não tão sério. Por exemplo, o passageiro no trem: apenas bêbado e se divertindo; o garoto de rua: apenas entediado e brincando com o palhaço; o colega que deu a arma.

Se eu quisesse me proteger, então estava apenas tentando me proteger… Todos têm suas próprias “desculpas”, todos acham que não têm culpa e acabam criando o crime. Esse é provavelmente o ponto mais importante do filme. Em resumo, “Não faça nada porque é bom; não faça algo porque é ruim”, é isso.

Joker

Voltando à história do Coringa em si, há dois pontos principais. Um deles é a rixa entre Arthur e a família Wayne, que é deliberadamente retratada e obscurecida no roteiro, deixando rastros para o público discutir, como se o velho Wayne tivesse se tornado o instigador da criação do Coringa, o que na verdade não é o caso. O fato de o Sr. Wayne, que adora dar autógrafos, deixar seu “nome” em todos os lugares só prova que ele é um “político-empresário”, um representante do dinheiro e do poder.

Joker: Reflexões sobre questões sociais

O fato de o Sr. Wayne ser um selvagem egocêntrico não prova que ele abandonou sua família, nem prova que ele é o criador dos palhaços (mas os palhaços que vieram depois dele são definitivamente sua “realização”). Se você é uma pessoa poderosa, deve ser avisado de que quem está no comando do microfone (o direito de falar) deve ter cuidado com suas palavras e não deve falar em um acesso de raiva. Infelizmente, a maioria das pessoas no poder muitas vezes se deixa levar, e exemplos disso estão por toda parte, e ainda mais recentemente.

Joker

O outro gatilho real para Joker é a história sombria de sua mãe. Supondo que o amor dela por ele seja genuíno, será que esse amor pode superar os erros do passado? É uma reflexão pessoal, e a resposta no filme é, obviamente, não. Por que o amor se transformaria em um ódio tão mortal? Será que são apenas as páginas dos registros policiais? Ou será que Arthur nunca recebeu o amor de sua mãe, mas simplesmente teve que conviver com isso e, quando a menor motivação para sobreviver é praticamente negada, não há mais nada a temer!

Desejo de ser amado: o calor e a indiferença da sociedade

O Coringa é a “Joker” de Arthur em todo o filme, esses parágrafos também fazem parte da parte da confusão do público, o sonho e a realidade de uma linha de separação, quando o sonho se torna realidade é também um momento de ruptura com a realidade, como o pathos! Então, por que o diretor adicionou uma parte sobre o sonho de felicidade de Arthur com seu vizinho do lado? Anseio por amor!

O desejo íntimo de Arthur de ser amado, a realidade de como ele é cruel, não é de se admirar que o filme do Coringa possa causar uma alta bilheteria, o drama desencadeou o choro íntimo de muitas pessoas, quantas apresentações de suas fantasias de felicidade, mas a realidade é… Mas a realidade é que… você só pode tirar proveito da ascensão do Coringa no cinema e seguir os gritos como uma espécie de desabafo. Quando muitas pessoas poderosas estão preocupadas apenas com o fato de o filme provocar a febre dos palhaços, seria melhor fazer algo significativo para o público em seus corredores de poder e fazer bem o seu trabalho, para que os “palhaços” não tenham palco!

De fato, a injustiça que Arthur sofreu pode ser aplicada a todos… Tenho certeza de que haverá muitas pessoas que sentirão indigestão, mas mais pessoas serão como eu, que podem se colocar no lugar de Arthur e olhar para o lado mórbido da sociedade, e mostrar um pouco mais de cordialidade, para que haja menos Arthur’s na sociedade! Quando ouço “Smile”, penso no sorriso do Coringa pintado com sangue.

Quando vejo a bela música “Send In The Clowns” no final de Coringa, sinto lágrimas nos olhos e canto com o consentimento tácito do meu coração, esperando que todos possam se imaginar como aquele anão, colocar o coração no lugar certo e estender uma mão amiga, para que a sociedade possa se tornar cada vez mais suave e não mais estar em guerra entre si.

Deixe um comentário