John Wick: Capítulo 4: uma aula magistral sobre o cinema de ação contemporâneo4
YouCine logo
YouCine
Edit Template

John Wick: Capítulo 4: uma aula magistral sobre o cinema de ação contemporâneo


Warning: Undefined array key "titleWrapper" in /www/wwwroot/youcine.io/wp-content/plugins/seo-by-rank-math/includes/modules/schema/blocks/toc/class-block-toc.php on line 103

Construindo uma visão de mundo fictícia

Desde o momento em que John “Nightcrawler” Wick joga a moeda de ouro para Cajun na recepção do Continental Hotel, a franquia John Wick estabelece uma fascinante visão de mundo fictícia: um jogo com o mundo como tabuleiro e um pacto antigo como regras, no qual um lado é jogado por aqueles que são leais às forças obscuras da Mesa Alta, e o outro lado é jogado por aqueles que aspiram derrubar a Mesa Alta.

Como assistir a John Wick: Capítulo 4? Faça o download da plataforma de streaming YouCine, o YouCine é um aplicativo que redefine a experiência de assistir a filmes.

John Wick

No quarto filme, a vingança de John Wick desencadeia uma declaração aberta de guerra por parte da High Table Society, e ele passa a aceitar o fato de que não pode vencer essa luta sozinho. O conceito central cuidadosamente construído de “regras e consequências” dentro da visão de mundo de John Wick fornece uma base narrativa sólida para o Capítulo 4, dando ao diretor Chad Stahelski e ao astro Keanu Reeves a oportunidade de apresentar um banquete repleto de ação na tela, de modo que cada detalhe promova a sublimidade de cada um. É o filme mais longo de Velozes e Furiosos; é o filme mais divertido de John Wick: Capítulo 4 Kill; e é simultaneamente o filme mais bonito de John Wick: Capítulo 4 Kill.

Desde que John resistiu ferozmente no último filme de John Wick, a Alta Mesa foi levada ao limite: eles precisam fazer de John um exemplo, e essa tarefa cabe ao leal Marquês de Grammont (Bill Skarsgård). Skarsgård interpreta esse personagem como uma espécie de primeiro supervilão sério no universo de John Wick: Capítulo 4 e, como representante da High Table Society, cada palavra que sai de sua boca com um forte sotaque francês revela total ego e hipocrisia.

Ao contrário de Santino d’Anthonio, que chantageou John para que ele voltasse no segundo filme por causa de uma questão pessoal (um contrato de sangue não pago), o tirânico Marquês de Grammont exerce o poder da High Table como uma versão playboy de Darth Vader, e sua crueldade naturalmente leva John e seus aliados ao extremo oposto do espectro.

John Wick

A burocracia da High Table há muito tempo está escondida atrás dos intermediários Winston (Ian McKershawn) e o Adjudicator, e Skarsgård é um bom exemplo da decadência e da corrupção que há muito tempo penetraram na organização, um fedor que se torna mais forte à medida que se avança em direção à ponta da pirâmide.

John Wick: Cenas de ação magistral

John Wick: Capítulo 4 consolidou completamente John Wick como mais uma estrela brilhante na carreira de Keanu Reeves nos filmes de ação, tornando-o bom o suficiente para estar lado a lado com Neo, o protagonista de Matrix. O John Wick do primeiro filme, que havia acabado de perder o amor de sua vida e iniciado um incêndio que chocou o público, era agora uma presença muito mais letal: ele havia recuperado sua determinação e foco.

Keanu transmite essas características por meio de uma atuação antiquada, introspectiva e contida. Ele interpreta o papel de forma tão convincente que a ocasional frase jingoísta ou a sobrancelha levemente levantada parecem muito reais, em vez de ficarem presas aos clichês de filmes semelhantes …… Às vezes, um filme de ação comercial e uma atuação excelente podem andar de mãos dadas.

John Wick

A contribuição de Keanu (e de Stahelski) para a série Matrix é imensurável, e o ator sempre foi apaixonado pela arte de lutas bem coreografadas, de modo que a franquia John Wick parece uma carta de amor dele para essa arte. Ver John Wick continuar lutando para recuperar sua alma e ficar cada vez mais forte dá uma sensação de puro prazer, que se multiplica ainda mais quando você percebe que esse filme é o resultado da dedicação e do amor de Keanu.

Embora a série compartilhe seu nome com John Wick, sua jornada enfatizou cada vez mais a importância do contrato social e da história compartilhada. No quarto filme, o desenvolvimento dos filmes anteriores floresce completamente, apresentando ao público uma série de personagens impressionantes. Winston, Cajon (Lance Lydick) e o King of Bowery Street (Laurence Fishburne) vêm em auxílio de John e, embora Lydick e Fishburne não tenham muito o que fazer, seu impacto é maximizado pela aura distinta dos dois atores e pela compreensão precisa de seus papéis.

Variedade nas cenas da cidade

Embora Winston tenha atirado em John do telhado do Continental Hotel no final do terceiro filme (nada que se deva admitir, afinal, nessa visão de mundo, isso é tão raro quanto tropeçar acidentalmente em alguém), ele continua sendo o equivalente a uma presença paternal para John, e a aura de autoconfiança característica de Ian McKeown aumenta o glamour do mundo de John Wick e sustenta a reputação do gerente do hotel Continental como um dos melhores do mundo. e sustenta a reputação de sofisticação do gerente do hotel Continental.

Entre os novos rostos, Donnie Yen se destaca como Kane. Um vilão imponente e formidável, apresentado como um velho conhecido de John Wick, a hesitação do assassino cego em cumprir as ordens do Marquês de Grammont ecoa a rejeição de John à “obediência e lealdade”. Essa semelhança acrescenta um inesperado senso de empatia ao encontro entre os dois, mas não impede que Kane dedique tudo o que tem à sua perseguição a John. O comportamento descontraído e a eficiência implacável de Donnie Yen conferem leveza e um estilo distinto às suas “habilidades de pistoleiro”, enquanto a criatividade eclética de Kane em combate leva a todos os tipos de efeitos inesperados e espirituosos.

John Wick

Outro novo personagem é Shamir Anderson como o rastreador sem nome, um agente com um cachorro, o que é um fardo pesado em um filme de John Wick. A postura difícil de definir do rastreador, suas habilidades de luta e seu relacionamento próximo com o cachorro criam um personagem paranoico vibrante e bem amarrado para o quarto filme, o que é útil sempre que a trama precisa de um certo elemento de incerteza para apimentar a jornada de John.

Também gostaria de fazer uma menção especial a um personagem chamado Klaus. Há apenas duas coisas que sei sobre ele: é um cara grande e seu nome é Klaus. A parte desse cara pode não ser tão longa quanto o tempo que você levou para ler isto, mas prometo que ele a tornará memorável.

Em uma época em que cada vez mais pessoas reclamam que os filmes têm mais de duas horas de duração, o ritmo alucinante de John Wick: Capítulo 4 serve como uma poderosa refutação, provando às pessoas que um filme deve ter o tempo que precisar. Ao longo dos três primeiros filmes, o diretor Chad Stahelski desenvolveu um instinto aguçado.

John Wick

Ele sabe quando é hora de John atravessar uma sala cheia de inimigos com precisão cirúrgica e quando é hora de nós, o público, nos deleitarmos com a estética da violência que John proporciona. A atenção de Stalsky aos detalhes em cada elemento da ação no quarto filme é apreciada, e o roteiro escrito por Shay Hutton e Michael Finch transmite isso muito bem.

A atmosfera criada pela trilha musical

Por exemplo, a história de John Wick: Capítulo 4 estabelece desde o início que as Forças Armadas da Sociedade de alto escalão que vieram atrás de John atualmente estão vestidas da cabeça aos pés com uma armadura impenetrável (sim, isso soa particularmente como algo que só poderia ser encontrado em um videogame). Mas, em vez de parar no nível da linha, Stalsky incorpora ainda mais essa configuração por meio das ações de seu personagem, pois o inimigo fortemente armado força John a adaptar suas táticas de luta tradicionais, em que ele deve escolher a parte mais fraca do corpo do inimigo para atirar.

Se você não se cansou do tiroteio a curta distância no terceiro filme, então o quarto filme certamente o deixará satisfeito. Da mesma forma, a introdução do coquetel Molotov é intercalada com uma conversa casual e espirituosa, portanto, quando você encontrar pela primeira vez um inimigo infeliz o suficiente para ter sido morto por uma bomba incendiária, essa frase provavelmente ecoará em sua mente imediatamente. Pode parecer contraditório usar a palavra “conciso” para descrever um filme de quase três horas, mas realmente não há um único detalhe em John Wick: Capítulo 4 que seja supérfluo.

John Wick

O longo cerco ao Osaka Continental Hotel pela High Table Society provavelmente se qualifica como a cena de ação mais carregada da série de filmes John Wick até hoje – e a própria série superou quase todos os seus concorrentes. Stalsky equilibra com maestria várias perspectivas de ataque para manter o ímpeto de cada personagem na luta contínua. O terceiro filme já nos deu um vislumbre do que acontece quando o gerente do hotel Continental toma as rédeas da High Table Society e, como alguém tão calmo e controlado quanto Winston, Hiroshi Shimazu, de Hiroyuki Sanada, enfrenta a ira da High Table Society com convicção inabalável.

Ao retratar o relacionamento entre Shimazu e sua filha Akira (Rina Sawayama), Stalsky nos mostra como é a moralidade em um mundo em que os assassinos estão por toda parte, e a interpretação de Hiroyuki Sanada do homem é mais perspicaz do que nunca, seja nos momentos de carinho entre pai e filha ou quando ele está com as mãos em uma espada.

O que torna a cena de Osaka tão tocante para o público é o fato de ela sublimar a ideia principal de amizade na Parte 4: John não tenta resolver o caso do High Table Club de forma rápida ou silenciosa, ele simplesmente corre para maximizar os danos porque sabe que foi ele quem levou essa confusão até a porta do amigo.

Essa cena de ação está intimamente relacionada ao estado interior de John e é brilhantemente mostrada na perseguição e na luta de tirar o fôlego ao redor do Arco do Triunfo, quando John está em seu estado mais perturbado. As melhores cenas de ação em um filme tendem a refletir e reforçar a personalidade do personagem, e o quarto filme mantém isso em mente do início ao fim.

Relacionamentos entre os personagens

Para uma série de filmes que há muito tempo é muito moderna e descolada, John Wick: Capítulo 4 estabelece um novo padrão para o design artístico e a produção de filmes. Cada locação, de Osaka a Paris, de Berlim a Nova York, tem seu próprio estilo arquitetônico exclusivo, e o diretor de fotografia Dan Lausterson aproveita todas as oportunidades para banhar os personagens em uma variedade de atmosferas icônicas de neon colorido.

John Wick

A decoração ultramoderna do Hotel Continental em Osaka, as lâmpadas quentes das ruas de Paris, o crepúsculo de Manhattan atravessando os guarda-sóis do escritório do Marquês de Grammont no térreo do edifício, todas essas cenas emprestam uma cor reconhecível a cada reviravolta na trama, dando a cada cidade uma identidade visual única e um lembrete constante para o público de onde John está.

A poderosa trilha sonora do filme, composta por Tyler Baez e Joel J. Richards, aumenta ainda mais a atmosfera do filme, mudando de estilo de cultura para cultura conforme segue o ritmo do quarto filme, alternando entre performances fortes e fracas, permitindo que as cenas de luta e vários momentos importantes se complementem para criar os melhores efeitos visuais e sonoros possíveis.

Deixe um comentário