“Transformes: Rise of the Beasts” sobressai por mostrar cuidado com humanos 1

“Transformes: Rise of the Beasts” sobressai por mostrar cuidado com humanos


Warning: Undefined array key "titleWrapper" in /www/wwwroot/youcine.io/wp-content/plugins/seo-by-rank-math/includes/modules/schema/blocks/toc/class-block-toc.php on line 103

Não importa o quão poderosa seja a série, ela precisa de um conteúdo excelente para apoiá-la. Esta última inspiração é baseada nos brinquedos da Hasbro, não atinge as alturas de “Bumblebee” do ano de 2018. Mas, é bem mais superior aos cinco blockbusters dirigidos por Michael Bay entre os anos de 2007 e 2017. Em suma, Transformes é um filme altamente recomendado.

Os fãs com certeza vão se deliciar com as lembranças da infância de ver esses queridos personagens. Além dos Autobots – liderados por Optimus Prime e dublado por Peter Cullen com sua voz característica – “Rise of the Beasts” também mostra Maximals da série de TV “Transformes: Beast Wars” e vários vilões intergalácticos. Eles estão todos em busca do mesmo doohickey antigo, McGuffiny, que é superpoderoso e pode causar danos em massa.

“Transformes” no Youcine traz o tema: salvamento de seres humanos

Mas, o que faz “Rise of the Beasts” ser agradável para todos é a questão de demonstrar muito cuidado com os seres humanos presos em meio a essa batalha épica entre a luz e as trevas. E isso é uma raridade nesta série, pois é conhecida mais pelos tipos insípidos.

E ao meu ver soa contraditório falar: “Eu queria mais humanidade em meu filme sobre seres de outro mundo fingindo ser caminhões ou carros”. Mas é exatamente essa questão que faz “Rise of the Beasts” e “Bumblebee” dos anos 80 de Travis Knight se sobressaírem.

You cine também está constantemente absorvendo vantagens como “Transformes”, queremos que todos tenham conteúdo ilimitado em aplicativos limitados! E é o conteúdo mais recente! E é o conteúdo mais recente!Então não se esqueça de baixar este melhor aplicativo.

O filme é uma espécie de antecedente e um tipo de reinicialização

 Os robôs humanóides autobots foram forçados a abandonar Cybertron, o seu planeta natal, e rumar ao planeta Terra. No percurso, tiveram de defrontar os decepticons, seus inimigos mortais, acabando por ir para vários lugares no universo em vez do seu destino final.

Esta nova aventura, ambientada em 1994, decorre em Brooklyn (Nova Iorque) e segue Noah e Elena, dois humanos que se juntam a Optimus Prime, o líder supremo dos pacíficos autobots, que tantas vezes lutaram pela salvação do mundo. Os três vêem-se envolvidos num conflito relacionado com outras facções de cybertronianos: Maximals, Predacons e Terrorcons. E desta vez a guerra é de tal magnitude que nada parece ser suficiente para a travar.

Um elenco perfeito de filme no Youcine

Outros profissionais maravilhosos que estão no elenco de voz são: Michelle Yeoh como o majestoso falcão Maximal Airazor, Ron Perlman como o rugido gorila Optimus Primal e Peter Dinklage como o cruel Scourge, o líder dos Terrorcons que é o braço direito de Unicron.

O sempre envolvente Cristo Fernández faz sua ensolarada personalidade de Dani Rojas como um ônibus Volkswagen dos anos 1970- Wheeljack. Clássicos do hip-hop dos anos noventa de A Tribe Called Quest, Wu-Tang Clan, Diggable Planets, The Notorious BIG e muito mais são uma ótima opção e passam uma vibração que contagia.

Pra resumir, “Rise of the Beasts” faz o que todo filme dos Transformers tem que fazer: acabar com uma sequência de luta que parece ser interminável na qual grandes pedaços de metal batem uns nos outros. Os efeitos especiais menores ao meu ver são mais impressionantes do que as peças maiores.

O Mirage evolui de várias maneiras que são interessantes de assistir, parecem realistas. Mas, embora esse clímax não seja tão frenético e interminável como costuma ser, ainda é muito monótono em comparação a ação que veio antes dele.

 Transformers: O Despertar das Feras revelou-se uma aventura hollywoodiana despretensiosa. O raro filme consciente do que deseja alcançar, das limitações narrativas e da bagagem (negativa, para mim) que trouxe dos antecessores. O ainda mais raro filme que rejeita o atributo épico onde não há épico, eliminando 30-45 minutos de inchaço dos anteriores. 16 anos após o original de 2007 (à época, considerei um bom filme), O Despertar das Feras colocou a franquia no patamar de um entretenimento descompromissado, onde deveria estar.

Deixe um comentário