Desequilibrada, mas edificante, 'Poor Things' é uma 'Barbie' nada familiar - YouCine
YouCine logo
YouCine
Edit Template

Desequilibrada, mas edificante, ‘Poor Things’ é uma ‘Barbie’ nada familiar


Warning: Undefined array key "titleWrapper" in /www/wwwroot/youcine.io/wp-content/plugins/seo-by-rank-math/includes/modules/schema/blocks/toc/class-block-toc.php on line 103

Poor Things é um pouco de Alice no País das Maravilhas, um pequeno Mágico de Oz, um pequeno Marquês de Sade e muito Frankenstein. Também tem muito em comum com alguns dos filmes anteriores de Yorgos Lanthimos, como O Favorito e Dogtooth: sexo transgressor, jogos de poder sádicos e violência terrível.

Mas se o filme é brutal, também é extravagantemente bonito, extremamente engraçado e, no final, estranhamente comovente e até edificante. Este pode ser o filme mais perturbador de Lanthimos, mas também tem uma exuberância alegre que não senti em muitos de seus trabalhos anteriores.

O filme já está nos cinemas, ou você também pode acessar o serviço de streaming de alta qualidade Youcine para assistir filmes online gratuitamente.

Emma Stone em ‘Bella Baxter’: A Fascinante Jornada de Uma Mulher Renascida em Londres Vitoriana

A história, vagamente adaptada de um romance de 1992 do escritor escocês Alasdair Gray, segue uma personagem incomum chamada Bella Baxter, interpretada pela hipnotizante Emma Stone. Quando conhecemos Bella pela primeira vez na Londres do século 19, ela parece uma mulher adulta, mas tem o andar desajeitado, a fala informe e o espírito anárquico de uma criança muito pequena.

Como aprendemos desde o início, ela é o produto de um experimento científico maluco de volta dos mortos, no qual foi implantado o cérebro da criança que carregava no momento de sua morte. Bella, em outras palavras, é mãe e filha – e, de uma forma estranha, nenhuma das duas.

Sob o olhar atento de seu criador – Willem Dafoe como o doce e perturbado cientista Dr. Godwin Baxter – Bella se desenvolve rapidamente. Em pouco tempo, ela está andando e falando mais ou menos como uma adulta, embora seus padrões de fala inventivamente torturados continuem sendo uma das melhores piadas do roteiro de Tony McNamara.

A Odisseia de Bella em ‘Poor Things’: Uma Exploração Vibrante de Sexualidade e Identidade no Século 19

Inevitavelmente, Bella descobre o sexo, primeiro explorando seu próprio corpo adulto com curiosidade infantil, e depois tendo um caso apaixonado com um malandro chamado Duncan Wedderburn – um hilário e exagerado Mark Ruffalo. Quando eles fazem sexo pela primeira vez, o filme, que até agora foi filmado principalmente em preto e branco, explode em cores selvagens e arrebatadoras.

Como um riff especialmente obsceno de Candide, de Voltaire, Poor Things se torna a história da odisséia sexual de Bella. Desde a estreia do filme no Festival de Cinema de Veneza, grande parte da reação se concentrou em suas muitas cenas de sexo frenéticas, nas quais os corpos de Stone e Ruffalo, entre outros, estão em exibição abundante. Mas o filme busca algo mais do que mera excitação; na maior parte do tempo, enfatiza mais o absurdo do que o êxtase do sexo.

Em pouco tempo, Bella fica entediada – e desiludida. Ela aprende que os homens são, em sua maioria, horríveis e que o mundo está cheio de sofrimento e pobreza. Logo, ela começa a fazer novos amigos, lendo Emerson e nutrindo sua mente.

A certa altura, durante um cruzeiro de barco pela Europa, Duncan fica com ciúmes, acusando Bella de passar muito tempo com outros dois viajantes, que estão tendo um debate intelectual envolvente. Bella responde, como sempre faz, referindo-se a si mesma na terceira pessoa: “Esses dois estão brigando e as ideias estão martelando na cabeça e no coração de Bella como luzes em uma tempestade.”

Se o diálogo barroco de Bella torna Poor Things muito divertido de ouvir, o filme também é lindo de se ver. Lanthimos nunca teve medo do anacronismo e aqui ele o abraça de frente. Seus designers de produção, Shona Heath e James Price, sonharam com uma visão futurista e colorida do século 19, onde os transportadores de pessoas voam sobre as ruas da cidade e as chaminés expelem fumaça verde em um céu roxo escuro.

Esta versão de fantasia quase Steampunk de Victoriana, muitas vezes filmada com lentes olho de peixe pelo talentoso diretor de fotografia Robbie Ryan, sugere o quão radicalmente estranho o mundo deve parecer aos olhos de Bella. E a trilha sonora dissonante e indisciplinada de Jerskin Fendrix parece algo vindo diretamente do subconsciente de Bella.

Análise de ‘Poor Things’: Um Retrato Feminista ou uma Reinterpretação Moderna da Barbie?

Alguns admiradores de Poor Things argumentam que se trata de uma obra feminista, na qual o despertar erótico de Bella se torna a chave para sua libertação. Os detratores do filme o consideraram apenas uma narrativa superficialmente fortalecedora de uma chefe feminina.

Não sou o único a notar que é basicamente a versão nada familiar da Barbie, na qual a ingenuidade infantil de uma mulher se torna uma arma surpreendentemente eficaz contra o patriarcado. Eu acho que isso faz do Duncan de cabelos oleosos de Ruffalo um Ken, embora você possa dizer o mesmo dos homens interpretados por Ramy Youssef, Jerrod Carmichael e Christopher Abbott, todos os quais tentam, à sua maneira, manipular o destino de Bella.

Mas Bella não será controlada e ela é uma personagem brilhante demais para ser reduzida a um símbolo ou arquétipo. Stone apresenta um desempenho excelente e audacioso; sua Bella pode ser ignorante, egoísta, impulsiva e cruel, mas também extremamente inteligente, espirituosa, atenciosa e gentil.

Lanthimos raramente expressou muito carinho por seus personagens, mas ele claramente o ama demais. Ele fez um filme que, mesmo em sua forma mais bizarra, tem o coração no lugar certo, mesmo que o cérebro não esteja.

Deixe um comentário