O Grande Hotel Budapeste: uma farsa no palco da época1
YouCine logo
YouCine
Edit Template

O Grande Hotel Budapeste: uma farsa no palco da época


Warning: Undefined array key "titleWrapper" in /www/wwwroot/youcine.io/wp-content/plugins/seo-by-rank-math/includes/modules/schema/blocks/toc/class-block-toc.php on line 103

O Grande Hotel Budapeste é dirigido por Wes Anderson, baseado no livro The World of Yesterday, de Zweig, e apresenta uma trilha sonora alegre e divertida, um estilo distinto na tela e belas imagens, que melhoram muito a narrativa do filme e refletem a sensibilidade pessoal única do diretor.

Quer assistir a O Grande Hotel Budapeste? O YouCine é o seu passaporte para o mundo do cinema, com uma ampla variedade de conteúdo para todos os gostos e interesses.

O Grande Hotel Budapeste

O Grande Hotel Budapeste é uma narrativa em terceira pessoa de fácil compreensão que se passa entre as décadas de 1930 e 1960, durante a ascensão dos nazistas na Segunda Guerra Mundial, travada pelos fascistas alemães, italianos e japoneses. O gerente do hotel, Gustave, e o porteiro “Nothing” iniciam um drama tumultuado por causa de “um quadro”.

Uso inteligente da música

O uso da música define o estilo e o tom geral de O Grande Hotel Budapeste, expressando as emoções dos personagens e os pensamentos profundos do diretor sobre a história. Em primeiro lugar, quando Nothing corre para embarcar no teleférico e o teleférico começa a acelerar, a melodia entra como uma música sem som, prenunciando que algo ruim está prestes a acontecer e criando uma atmosfera tensa no filme.

Em segundo lugar, quando No e Gustave roubam o quadro de valor inestimável The Apple Boys, a música é cômica e espirituosa, fazendo-os rir enquanto estão tensos com o quadro e sugerindo metaforicamente que o quadro também lhes causará tédio e dificuldades. Ao mesmo tempo, a música pode ser usada para a narrativa.

Os prisioneiros fazem um esforço conjunto para cavar um buraco no chão para escapar, os efeitos sonoros da escavação e o volume dos efeitos sonoros da pedra de amolar ficam mais altos. Nesse momento, o silêncio da cela gradualmente se aproxima e se distancia dos passos do inspetor, para que o público tenha a sensação de tensão com o enredo principal mencionado na garganta e, em seguida, os passos gradualmente se distanciam, mas também o plano de fuga perigoso e tenso adiciona cores cômicas e engraçadas, de modo que o filme naturalmente capta as emoções do público.

O Grande Hotel Budapeste

A trilha sonora do filme é como o coração do povo europeu, é um símbolo da cultura clássica europeia e, ao mesmo tempo, reflete o clima da época, quando a Europa Ocidental entrou em guerra e muitos europeus depositaram suas esperanças na música.

Composição simétrica de O Grande Hotel Budapeste

O diretor usa muitas composições simétricas no filme, que têm um certo efeito estético e trazem uma sensação de beleza visual para o público.

O exterior e o interior do Grande Hotel Budapeste são construídos de forma a criar um mundo de sonhos próspero para o espectador, com a arquitetura clássica e refinada do século XIX.

O Grande Hotel Budapeste

O filme O Grande Hotel Budapeste faz pleno uso da composição simétrica equilibrada e estável, de modo a mostrar toda a imagem do Grand Budapest Hotel, enriquecendo a beleza da imagem e aparentando ser opulento com um senso de época, assim como o ambiente interno e os estilos decorativos do Grand Budapest Hotel são demonstrados ao máximo, desde a colocação dos objetos, corrimãos, claraboias e grades para enfatizar novamente a simetria da estética, que reflete o céu florido da sociedade europeia da época e a beleza do hotel. O grande hotel de Budapeste foi projetado para ser o céu florido da sociedade europeia da época.

A forma de O Grande Hotel Budapeste destaca a sensação de desolação, já que o Grande Hotel Budapeste caiu gradualmente em desuso devido à destruição da época e da guerra, refletindo a corrosão da cultura europeia tradicional pela guerra. Ecoando a história da queda da Europa e o cenário do mundo europeu naquela época, da prosperidade à derrota, ele leva todos a um mundo espiritual perdido.

O uso da cor em O Grande Hotel Budapeste

O diretor de O Grande Hotel Budapeste usa as cores de uma maneira única, com simplicidade, uma forte racionalidade humanística e uma sensação histórica vintage que transporta imediatamente o espectador para a falsa paz e tranquilidade da era pré-Segunda Guerra Mundial. No início do filme, o autor sai de férias para o Grand Budapest Hotel, que era famoso antes da Segunda Guerra Mundial, e aprende sobre a história do hotel.

Ao mostrar o hotel e o ambiente e os prédios ao redor antes da Segunda Guerra Mundial como um todo, o tom é rosa, como o céu, a fachada do hotel, as árvores …… Essas cenas que só podem aparecer em contos de fadas estão todas encharcadas na imagem, com a doce fantasia do rosa e a escuridão da guerra formando um forte contraste, e do lado de mais Isso reflete a dureza da guerra e a condenação subjetiva do diretor à guerra, o que se encaixa no tom humanista do filme, que se preocupa com a luta contra a guerra.

Após a entrada injusta de Gustave no centro de detenção, as cores em O Grande Hotel Budapeste tornam-se cinza e preto, e a decoração do cenário em tons frios cria uma atmosfera sombria e triste, mostrando nitidamente a frieza e a crueldade da prisão.

O Grande Hotel Budapeste

O Grande Hotel Budapeste é um longa-metragem apresentado como uma comédia, contando cinco histórias do ponto de vista de Mustafa, expressando pensamentos profundos sobre a guerra e a natureza humana, bem como as opiniões do diretor sobre o declínio da cultura clássica e a mudança dos tempos. O Grand Budapest Hotel também equivale a um pequeno microcosmo da sociedade europeia daquela época. Todos os pequenos personagens retratados pelo diretor no filme são firmes no cenário da guerra e irradiam a luz da humanidade. Como Gustave disse: “Em um matadouro bárbaro, ainda há um vislumbre de civilização, e isso é humanidade”.

Deixe um comentário