Frio e Calor, Crime e Castigo em Folhas caídas - YouCine
YouCine logo
YouCine
Edit Template

Frio e Calor, Crime e Castigo em Folhas caídas


Warning: Undefined array key "titleWrapper" in /www/wwwroot/youcine.io/wp-content/plugins/seo-by-rank-math/includes/modules/schema/blocks/toc/class-block-toc.php on line 103

Em 2023, no 76º Festival de Cannes, o diretor finlandês Aki Kaurismäki produziu um filme vencedor do Prêmio do Júri, Folhas caídas. Aqueles que gostam dele estão felizes por ainda ser o melodrama frio escandinavo especialmente criado por Aki, com uma teatralidade inabalável.

Assista ao filme no YouCine! Há muitos recursos de filmes e transmissões de futebol ao vivo.

O estilo artístico de Aki Kaurismäki

Folhas caídas

Quem já assistiu a alguns dos trabalhos de Aki Kaurismäki conhece muito bem essa vibração. Não um mito nórdico, não um país desenvolvido com alto nível de bem-estar, mas sempre outro país nórdico sob as lentes de Aki Kaurismäki, onde o tempo parece ter parado nos anos 70 e 80 do século passado, onde a pobreza parece ser o pecado original e onde ainda há barbárie.

À medida que os olhos do espectador se ajustam ao mundo sombrio e de cores frias, ele se dá conta dos negócios sujos escondidos aqui, dos olhos que se escondem nas sombras para observar e da solidão sem fim pela qual vagam os protagonistas das Folhas caídas, desapegados e sem sorrisos, mas dispostos a contar piadas muito frias para fazer alguém rir. A iluminação expressionista do cenário tem uma pompa sutil aqui, e você sempre pode encontrá-los em algum momento de pompa colorida em meio a uma vida sombria.

Folhas caídas conta a história de Aki Kaurismäki em sua melhor forma. Alma Poysti interpreta Ansa, uma silenciosa catadora de supermercado, enquanto o personagem principal, Holapa (Jussi Vatanen), trabalha em um canteiro de obras e passa os dias consumindo seu “álcool medicinal” para se livrar da miséria.

Eles se encontram pela primeira vez em um bar de karaokê, para onde o herói e a heroína são arrastados por seus respectivos amigos “sociais”, e inesperadamente trocam olhares; as duas almas solitárias tentam se aproximar, mas sempre há algum tipo de desventura. As duas almas solitárias tentam se aproximar, mas sempre há algum tipo de desventura, e o alcoolismo de Horapa se interpõe entre eles, mas, no final, o desejo de se aquecerem um ao outro supera tudo.

Conflito emocional e resolução em Folhas caídas

Folhas caídas

Folhas caídas é uma história simples, cheia de lutas obstinadas ao estilo de Aki Kaurismäki na lama do submundo. Anza está acostumado a sentir frio, vendo Holapa derramar vinho em sua xícara de café no refletor, vendo-o tirar a garrafa que carrega do bolso do paletó, mas também se oferecendo para lhe dar um beijo de despedida, lendo para ele e lendo para ele na cabeceira do hospital do comatoso Holapa. Fria por fora e quente por dentro, ela é sempre a mais corajosa em seu relacionamento.

Esse charmoso senso de contraste também se reflete no humor frio das palavras frias usuais do filme. O diálogo entre os dois, Ansar e Khorapa, começa com uma preocupação inicial e passa a ser mais íntimo – em uma vida triste e sem esperança, meras palavras são pedras lançadas na correnteza das emoções.

Depois de um jantar fracassado, Ansar reclama com uma amiga que Holapa está usando a casa dela como um bar, ao que a amiga responde “os homens são como porcos”, ao que Ansar a incita a “não insultar os porcos”; por outro lado, quando a amiga de Holapa pergunta como elas estão se saindo, Holapa se gaba de que elas estão “Por outro lado, quando o amigo de Holapa pergunta como eles estão, Holapa se gaba de que eles vão se casar e depois diz, desanimado: “Mas não consigo encontrá-la e ainda não tive a chance de perguntar o nome dela”.

Além disso, o diretor dá muita atenção aos pequenos detalhes e à agitação da bagagem. Os pôsteres de filmes que adornam os interiores e os clássicos antigos que aparecem de tempos em tempos foram cuidadosamente escolhidos, a maioria de meados de 1900. O primeiro encontro deles foi assistir a The Walking Dead, de Jarmusch, um “elemento do diretor” que foi criticado por ter muitos clichês, mas Ansar diz: “Eu nunca ri tanto”, e se vira e nomeia seu cão de rua adotado Chaplin (o cachorro é uma participação especial do cachorro do próprio diretor, Alma).

Temperatura emocional e iluminação do cenário

Folhas caídas

Aki Kaurismäki é um mestre na criação de temperaturas emocionais, e isso também se reflete em suas preferências de cenário e iluminação; Folhas caídas tem cores grandes e de baixa saturação, compostas principalmente de tons frios em camadas com toques de calor, e cada quadro é tão harmonioso e bem trabalhado como se fosse uma pintura.

Às vezes, o clima muito moderno e difícil de descrever lembra as pinturas de Edward Hopper, nas quais o personagem principal é sempre a luz, em um quadro silencioso, com uma espécie de solidão aberta, mas também revelando um certo clima de espera. A cena mais “brilhante” do filme é o jantar à mesa entre Ansar e Holapa, ambos coincidentemente mudando para cores quentes, iluminando a sala, simbolicamente.

Depois que The Other Side of Hope (O outro lado da esperança), que conta a história de refugiados sírios, foi indicado ao Grand Prix no Festival Internacional de Cinema de Berlim e ao European Film Awards em 2017, Aki Kaurismäki disse que esse seria o último filme que dirigiria. No entanto, depois de seis anos, ele entregou Dead Leaves. Em entrevistas, o diretor se referiu a ele como uma sequência de sua “trilogia da classe trabalhadora” (Lone Shadow in Paradise, HMS Ascension e The Match Factory Girl), que ele fez entre 1986 e 1990, e assim chama a atenção para o contexto da recontagem após tantos anos.

A expressão do sentimento antiguerra

Folhas caídas

Em menos de cinco minutos do filme Folhas caídas, antes mesmo de Ansar e Holapa se conhecerem, as notícias sobre a guerra russo-ucraniana saíram do rádio e os atingiram nas duas pontas das ondas de rádio. Quando Ansar e Holapa finalmente se sentam à mesma mesa para jantar, Ansar não consegue deixar de se levantar, desligar o rádio e xingar as palavras: “Maldita guerra!” Uma espécie de grito direto para a atitude do diretor Kaurismäki.

O calendário do restaurante onde Ansar trabalha mostra o outono de 2024, as notícias no rádio são sobre o início da guerra russo-ucraniana em 2022, o cinema está exibindo um filme de 2019 e as pessoas estão usando rádios e telefones do final do século passado. Folhas caídas é mais mágico do que a Trilogia dos Trabalhadores. É apenas uma “volta ao futuro”, onde as pessoas ainda precisam cuidar umas das outras para resistir à pobreza, à solidão e à incerteza da guerra.

Deixe um comentário