The Marvels: Unindo Poder Feminino e Aventura na Nova Era do MCU - YouCine
YouCine logo
YouCine
Edit Template

The Marvels: Unindo Poder Feminino e Aventura na Nova Era do MCU


Warning: Undefined array key "titleWrapper" in /www/wwwroot/youcine.io/wp-content/plugins/seo-by-rank-math/includes/modules/schema/blocks/toc/class-block-toc.php on line 103

Esta sequência de Capitã Marvel (2019), que apresentou Brie Larson ao MCU como uma estrela voadora, une a Capitã (também conhecida como Carol Danvers) com personagens previamente estabelecidos em programas da Disney + Marvel – Monica Rambeau (Teyonah Parris), que foi fortalecido por um feitiço de bruxa em WandaVision, e Kamala Khan (Iman Vellani), uma fã do Capitão Marvel que se juntou à comunidade super-heróica em Ms Marvel.

O filme já está online no Youcine, você pode assisti-lo quando quiser!

The Marvels: Uma Aventura Espacial Refrescante com Comédia e Emoção

Dado que as histórias de fundo da Marvel se tornaram cada vez mais difíceis e impossíveis de acompanhar, é revigorante que este filme pareça ser um ponto de partida. Ele habilmente esboça o que você precisa saber e, em seguida, continua com a aventura espacial enquanto uma rainha alienígena rancorosa (Zawe Ashton) se propõe a roubar recursos vitais (atmosfera, mar, sol) de planetas nos quais a Capitã Marvel tem interesse.

A decisão mais inteligente é usar a adolescente despreocupada Kamala, que está extremamente feliz por estar em equipe com sua heroína, como personagem de ponto de vista, o que permite uma comédia fundamentada – Zenobia Shroff é uma piada como a mãe desaprovadora de Kamala – mas também uma veia de idealismo honesto. O capitão às vezes excessivamente sério de Larson se curva sob a influência de Kamala, especialmente ao revisitar um planeta que canta onde ela é literalmente uma princesa da Disney.

Nia DaCosta, que dirigiu Candyman (2021), embaralha farsa e ação enquanto o trio central da Marvel troca de lugar em momentos de crise. Ele se inclina para o modo leve de ópera espacial da Marvel dos filmes Guardiões da Galáxia de James Gunn ou Thors de Taika Waititi, mas deixa de fora o sarcasmo adolescente – pensado para atrair as meninas da mesma forma que os filmes de Gunn atraem os meninos. Uma piada zombando de Cats (2019) provavelmente vai longe demais, mas momentos emocionais (que já foram um ingrediente-chave da Marvel) dão um interesse enraizado em batalhas de superpoderes entre planetas em jogo.

The Marvels: Celebrando a Inclusão Feminina em um Universo de Super-Heróis

O MCU está em águas agitadas no momento – tornar aventuras de fantasia mais acessíveis, bem-humoradas e com apelo adolescente como essa pode ser um caminho a seguir.

Parte do que torna The Marvels tão agradável e gratificante é precisamente o fato de que, de fato, aquelas meninas e mulheres que alguns fanboys se ressentem e querem manter totalmente fora do fandom são bem-vindas e aplaudidas por este filme. Eles merecem muito mais um lugar nos filmes e um assento entre os fãs do que as vozes tóxicas e quebradas de pseudo-guardiões, como os críticos que fazem comentários bajuladores e odiosos para rejeitar e zombar perpetuamente da própria ideia de que meninas e mulheres jovens têm qualquer coisa de valor para dizer ou acrescentar.

Mães, filhas, irmãs, amigas – é disso que se trata The Marvels, e o filme encontra maneiras de manter esses temas vivos mesmo durante a ação e as transições. A maneira como os personagens se encontram, entram em conflito, se unem e encontram seu ritmo juntos, tudo isso semeia seus eventuais papéis no resultado, e a resolução de seus próprios arcos é o caminho para a resolução da história.

Tudo isso pode parecer coisas óbvias que uma história deveria fazer, mas é surpreendente quantas vezes a narrativa parece esquecer – ou nem mesmo sabe, para começar. O fato de tudo ter sido feito tão bem aqui e parecer fácil é ainda mais importante, porque se a narrativa muitas vezes se esquece de tentar, é igualmente frustrante a frequência com que até mesmo as tentativas reais acabam falhando de qualquer maneira.

Nia DaCosta em The Marvels: Direção Habilidosa de Uma Narrativa Complexa e Emocionante

Mas Nia DaCosta dirige The Marvels com uma atenção esplêndida e alegre a esses tipos de detalhes que determinam o quanto uma história e seus personagens ressoam em nós e nos parecem atraentes e gratificantes. É como um truque de mágica que DaCosta de alguma forma faz este filme parecer alegre e lotado ao mesmo tempo, a duração de uma hora e quarenta e cinco minutos passando rapidamente, mas deixando você com a sensação de que acabamos de ver uma história muito mais longa e detalhada.

E a ação é uma das mais originalmente concebidas e realizadas que vimos no gênero ultimamente, com os personagens trocando de lugar – seja em lados separados da galáxia, em diferentes partes de uma cidade ou no outro lado da mesma sala. – cada vez que um deles usa seus poderes. Primeiro, ocorre durante três lutas separadas, mas simultâneas, depois durante várias outras crises e, eventualmente, um confronto climático, e a mudança de perspectivas e a aparente aleatoriedade são complexas, mas lindamente realizadas.

Deixe um comentário